segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

A CARTA 
AMANDA HUX
Muito cansada, abriu a porta do pequeno apartamento. Olhou para a mesa, diferente do resto da sala havia em torno uma triste luz amarela. Viu o envelope branco. Lembrou-se. A carta. Aproximou –se . No verso, um remetente. Não ousou ler o nome. Estática, quedou-se em seguida ,e chorou. Menina pequena não entendera o Universo. Via-se de joelhos, e um bravo pai com um enorme terço na mão. Todos estavam condenados ao fogo do inferno. O pecado rondava a moradia. De joelhos, pedia-se perdão, todos os dias. Meninas puxam as saias e não mostram os joelhos. O Deus era amedrontador. A pequena Eva tremia. Ouvia o badalar dos sinos “”Nunca Mais” “Nunca Mais”
Pensava numa forma de se esquivar desse Inferno com demônios cheios de lanças. “Nunca Mais” Precisava adiar a morte. A angústia era tanta que trombava nas coisas, e as pessoas a chamavam de sonsa. Tinha muito medo “Nunca Mais”” Na escola sentava nas últimas carteiras, naquelas encostadas na parede do fundo. Escondia-se atrás de colegas e com os braços dobrados na mesa, a cabeça recostada, chorava. “Nunca Mais”Só conseguia ouvir histórias. Talvez nelas descobrisse uma forma de se livrar daquele terrível Inferno e daquela voz “Nunca Mais”
Havia no alto do armário uma grande coleção encadernada de capa azul e letras douradas. Abria as suas páginas e lia tensa e curiosa todas as histórias. Seu desejo era desvendar o enigma e ludibriar Deus para não cair no terrível Inferno. O segredo que descobrira era coisa de adultos pecadores. E descobrira com apenas seis anos.
De repente ,lembrou-se do Grande Pai que chegaria do trabalho e tremeu. Tinha medo, muito medo. Aquele tio que chegava bêbado em casa abrira para ela a porta do Inferno. Ela não podia morrer , não morreria nunca, daria um jeito de escapar daqueles demônios com lança.
Aproximava-se o terrível Dia da Primeira Comunhão. A voz dizia “não pecarás contra a castidade” O padre ouvindo no confessionário Ela tremia e muito, muito triste. De repente, o padre era aquele asqueroso Tio ,e ela tremia...Deus não quis ouvir sua confissão. A professora dissera que tinha que confessar e dizer tudo para não ir para o Inferno. Mas e o padre!!!!!!! que virou monstro e era o tio. Não podia contar nada para ninguém, o pecado era horrível. Na comunhão , a hóstia cheia de sangue, a condenação ao Inferno. O resto da vida um cuidar para não morrer nunca. O destino estava selado. Lembrou-se da Carta na mesa. Olhou e chorou.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Códigos da Santa Madre - História in... Versa



Aos seis - transou com o tio
Aos 14  - namoro era pecado
Aos 20  - namoro sem encosto
Aos 24  - casamento sem preparo
Aos 26  - a maldição
Aos 27  - O príncipe
Aos 28  - A punição      É... terna.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Guimarães Rosa, médico da família

Depois de formado,  foi Guimarães Rosa exercer a profissão em Itaguara, município de Itaúna, onde permaneceu por dois anos. A razão da escolha foi que lhe haviam dito não existir médico por aquelas bandas. E na verdade, era excelente iniciar a profissão sem concorrência...
Aproveitava todos os momentos disponíveis para estudar ( mesmo durante as viagens a cavalo), e de tal modo se familiarizou com a profissão que era capaz de dar o diagnóstico apenas pela fisionomia do doente. Cobrava as visitas que fazia como médico, pelas distâncias que, a cavalo, tinha que percorrer. Nem podia ser de outra forma, porque, quando chegava ao local, o dono da casa a fim de baratear a consulta, aproveitava-lhe a presença para uma revisão geral da saúde da família. Médico dedicado, acabou por se tornar respeitadíssimo naquelas regiões. Perder um doente era para ele, particularmente, algo de trágico. E uma vez em que isso aconteceu ficou aflitíssimo, sem saber que resolução tomar. Foi uma noite de agonia.

Vida e Obra de João Guimarães Rosa em Primeiras Estórias

sábado, 6 de julho de 2013

PARA SALVAR O BRASIL...

Para salvar o Brasil é necessário que os brasileiros, que ainda não pensaram nisso, passem a rever os seu conceitos de Ética, Honestidade, Responsabilidade. Passem a rever as mentiras que contam na frente dos filhos, passem a perceber que não é natural passar a perna em alguém, fazer maracutaia para sonegar impostos. E ainda que as Escolas sejam a extensão dessas atitudes, cobrando mensalidades justas, taxas de diplomas segundo a lei, cumprindo as leis trabalhistas...a lista é grande, mas em cada detalhe cuidado se planta uma árvore sadia, honesta neste país de falcatruas, desrespeito...e tal...e tal... E que os alunos aprendam a honestidade com seus superiores...as novas gerações, com seus pais que além de gritar por um Brasil melhor, saibam se comportar como cidadãos

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Direita? Equerda?

Sabe qual é o problema, prima! Gostaria de dar outro nome pois já há preconceito com os nomes direita e esquerda. Quando surgiu no século XIX OU XIII, a primeira fábrica quando o trabalho deixou de ser manufaturado ou artesanal. Ou seja, antes o trabalhador fazia e vendia o seu produto e sabia qual era o seu ganho e trabalhava o tempo que quisesse, pensava, idealizava, criava, usava portanto as mãos e a cabeça. Na fábrica, passou a trabalhar um absurdo de horas, ganhando um mísero salário, não pensava porque era mandado, e o patrão acumulava o lucro para fazer crescer o seu negócio. Por sinal, o patrão só pensava e (rsssss hoje tem que fazer musculação). Daí nasceu o conceito de direita e esquerda. Direita para cuidar do acúmulo de bens e esquerda para os interesses do trabalhador. Para mim existe um arquétipo de pessoas que só pensam em acumular, só pensam em ter, entre o seu conforto e do seu empregado, só pensam em si mesma, não abrem mão dos lucros em prol do bem estar do seu empregado, não cumprem as leis trabalhistas, não tem senso de alteridade, não sabem respeitar e olhar no olho do outro. Só pensam no meio ambiente, nos índios, nas favelas, se não prejudicarem o seu lucro. Até fazem caridade, mas caridade é tornar o outro dependente. A Ditadura, coronéis autoritários, policiais agressores, a mídia que pertente a donos de grandes fortunas têm muito medo da esquerda que defende os trabalhadores , talvez por causa do risco de ter que mudar o rumo dos seus bens. Na verdade, corrupção é a base da educação do brasileiro, o que é obvio, a grande mídia só divulga quando é da esquerda. Sempre trabalhei no serviço público. A ditadura era desonesta, os Pasquim da vida eram recolhidos. a Direita tem muito mais poder porque é dona dos meios de produção, agora tem até pobre que tem espírito de direita, fazendeiro que explora empregado, pequenos comerciantes.
Se você acha que o Aécio e outros tem sensibilidade pela vida do trabalhador ...È um grande representante da Direita...A mídia protege os seus iguais, o poder protege porque o poder do Capital é mais poderoso do que o poder do trabalhador que vive sem entender e dividido. A Dilma de esquerda, sensível ao trabalhador e tem que negociar com um bando da Direita porque é um governo democrático, so povo não entende isso. A globo é esperta, só entrevista Cientistas Políticos que são de esquerda na Globo News, assistida por uma minoria de pessoas intelectutalizadas. A esquerda não quer usurpar os bens da direita quer que haja respeito. Esse Feliciano é um produto da direita, conservador, preconceituso, autoritário. È bom lembrar que a Dilma não é Ditadora. Haja jogo de cintura para lidar com o pensamento de Direita. Tem que negociar insatisfeita para manter o equilíbrio. Qualquer aluno que frequenta os Cursos de Ciências Sociais , Políticas de uma boa Universidade entende disso. Tenho minhas dúvidas do julgamento do mensalão. Até em Sete Lagoas , já vi coisas. Acusarem pessoas com banalidades de falso moralismo e o grave do poderoso as pessoas se calarem. Se a mídia capitalista, poderosa, não divulga os mal feitos da Direita, eu divulgo. Fiz isso em Sete Lagoas e fui agredida verbalmente na rua

FEMM de minhas memórias

Fiquei muito triste com o pessoal que foi para o UNIFEMM, desconhecendo a legislação trabalhista das escolas particulares, desconhecendo que existe um Sindicato dos Professores que acorda todo ano com o Sindicato das Escolas Particulares uma legislação própria, diversa das Escolas Federais e Municipais. Isso causou um rombo financeiro na Escola pela qual lutei desde a minha Juventude, que "nasceu" como Fundação Sem Fins Lucrativos e com a contribuição , inclusive afetiva de toda a população setelagoana. Ela foi o símbolo da minha esperança de jovem. Como não podia estudar em BH, pude, em 1970, realizar o meu grande sonho de frequentar uma Faculdade. Esse desrespeito ao professor causou o meu adoecimento, o que é pior, foi um dos motivos que acelerou o falecimento da Professora Mirian. Em 1978, ela e a professora Nádya, me ligavam solicitando que fosse lecionar na Faculdade. Na época eu tinha especialização em Teoria da Literatura e entre... professores da Federal que tinham Mestrado, quase não havia quem quisesse lecionar em Sete Lagoas porque não compensava financeiramente. Dr Marcelo Vianna não permitia a redução de aulas dos professores porque havia experimentado um desfalque com uma ação trabalhista de um professor de BH. A FEMM cresceu com o sacrifício de muitos. Antes de morrer, a Mirian me ligava em prantos porque lhe tinha sido retirado um projeto de Inglês, que ela criara desde o ano de 1974, e que para funcionar ela mesma limpava as salas aos sábados nos prédios que eram alugados. Ela pedia uma contribuição simbólica aos alunos, e pagava professores, autores de obras de Inglês do seu próprio bolso, e com aquele perfil de professora amorosa, do interior, levava mimos para os alunos. A Nádya Paiva e muitos outros professores pioneiros que tiveram a coragem de levar o sonho em frente da Escola que só depois do plano Collor , depois de muitas batalhas pode remunerar com dignidade seus professores, merecem o nosso reconhecimento e respeito. Graças a Deus sobrevivo com saúde para dar esse depoimento. Espero que outros possam dar o seu, pois as histórias de dor não se encerram aqui."


Histórias da UNIFEMM



Fiquei muito triste com o pessoal que foi para o UNIFEMM, desconhecendo a legislação trabalhista das escolas particulares, desconhecendo que existe um Sindicato dos Professores que acorda todo ano com o Sindicato das Escolas Particulares uma
legislação própria, diversa das Escolas Federais e Municipais. Isso causou um rombo financeiro na Escola pela qual lutei desde a minha Juventude, que "nasceu" como Fundação Sem Fins Lucrativos e com a contribuição , inclusive afetiva de toda a população setelagoana. Ela foi o símbolo da minha esperança de jovem. Como não podia estudar em BH, pude, em 1970, realizar o meu grande sonho de frequentar uma Faculdade. Esse desrespeito ao professor causou o meu adoecimento, o que é pior, foi um dos motivos que acelerou o falecimento da Professora Mirian. Em 1978, ela e a professora Nádya, me ligavam solicitando que fosse lecionar na Faculdade. Na época eu tinha especialização em Teoria da Literatura e entre professores da Federal que tinham Mestrado, quase não havia quem quisesse lecionar em Sete Lagoas porque não compensava financeiramente. Dr Marcelo Vianna não permitia a redução de aulas dos professores porque havia experimentado um desfalque com uma ação trabalhista de um professor de BH. A FEMM cresceu com o sacrifício de muitos. Antes de morrer, a Mirian me ligava em prantos porque lhe tinha sido retirado um projeto de Inglês, que ela criara desde o ano de 1974, e que para funcionar ela mesma limpava as salas aos sábados nos prédios que eram alugados. Ela pedia uma contribuição simbólica aos alunos, e pagava professores, autores de obras de Inglês do seu próprio bolso, e com aquele perfil de professora amorosa, do interior, levava mimos para os alunos. A Nádya Paiva e muitos outros professores pioneiros que tiveram a coragem de levar o sonho em frente da Escola que só depois do plano Collor , depois de muitas batalhas pode remunerar com dignidade seus professores, merecem o nosso reconhecimento e respeito. Graças a Deus sobrevivo com saúde para dar esse depoimento. Espero que outros possam dar o seu, pois as histórias de dor não se encerram aqui.Gostaria ainda de acrescentar que a UNIFEMM nasceu com uma identidade humanista. Nasceu com a missão de formar Profissionais da Educação e do Direito para toda a região. Lembro-me da alegria da primeira turma de Letras formadas por pessoas de importância Educacional na cidade e que não tiveram oportunidade de fazer uma Faculdade na época de jovens, pessoas mais maduras e jovens Cito alguns Professor Simões, Dona Isis Valace, Nancy Zumerly, Professor Godoy, A Hoje Professora da UFMG Reinilde Dias, Marialves Dias, Léa Drummond, Adna Hadad, Maria das Graças ...e muitos outros que serão citados por alguns desses colegas .Lembro-me ainda do Diretor Dr Wilson Veado, da Secretária, Dona Cléia que guarda consigo toda a memória da UNIFEMM e que seria interessante ser entrevistada. Da vocação humanista passou a priorizar o universo tecnológico. Mas a sua identidade Sem Fins Lucrativos que beneficiou tantos jovens pobres da região e tantos municípios que puderam ampliar o número de escolas, como a sua função essencialmente Humanista jamais poderão ser esquecidas.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Amanda é espelho que se move em dois sentidos rompe...se rompe...aqui e acolá em busca de Outro... Wanda é, o nome